terça-feira, novembro 09, 2004

Valeu a pena

Valeu a pena. Gostaria de começar assim, antes de outros comentários. Porque a oportunidade no TIM Festival trouxe um crescimento enorme pra gente - e creio que aqui entra também a percepção do DigitalDubs. Pra fazer jus ao grande evento, trabalhamos duro, chegamos junto e fizemos bonito. O público, da mesma maneira, estava de gala, uma vibe muito boa.

Uma pena, porém, que as condições técnicas não permitiram que a festa fosse ainda mais bacana. Pelo que soube depois, já que no palco não se tem noção do que rola lá fora, é que, no caso do Bumba Beat, em boa parte do set os microfones não funcionaram, não se ouviam as vozes, ou o trombone, ou a percussão...

A Dueto Produções, responsável pelo TIM, alega ter um contrato com o Jockey determinando que os shows não devem avançar além das 6h. Infelizmente, pagamos pelo atraso geral de uma série de shows que começou - ou deveria ter começado, não sei - às 21h30 (Picassos Falsos, PJ Harvey, Primal Scream). Assim, as pessoas que chegaram pra assistir à balada da 1h, só puderam entrar às 3h ou mais! Consta também - está ganhando linguagem de boletim - que a tropa de segurança varreu a galera assim que acenderam as luzes... O tipo da coisa que deixa qualquer um indignado.

Faço questão de registrar tudo isso aqui, porque o mico foi grande, revoltou muita gente. Mas, conforme disse no começo, valeu a pena. Eu também ficaria muito mais satisfeito em poder passar o som antes (como deve ser e como os gringos do festival fizeram) e tocar mais cedo, num espaço menor e mais "quente", se possível ao rés do chão, perto do público, com tudo funcionando. E adoraria ter tocado o set até o fim - "Bumba meu Dub", a música que fizemos com o Zeca Baleiro, por exemplo, continua inédita...

O tipo de projeção que o festival nos deu é boa, as reportagens foram positivas, trataram de toda a cena em muitas oportunidades. Acho que todo mundo sai ganhando. Estou solidário com os que saíram insatisfeitos, chateado com os atrapalhos técnicos de um festival desse porte, mas não tenho como esconder minha alegria pela oportunidade.

Aproveito pra agradecer a todos que participaram diretamente de nossa festa. Celso Borges (o dub poet brasileiro), Bidu Cordeiro (trombones do além), Luiz Cláudio Farias (percussão dos terreiros e templos), Buguinha (live dub cósmico e PA sideral), Paulo César Soares (delírios e cenas no telão), Bruno Lancellotti (DJ, imprensa, produção etc. etc.), Kamille Viola (imprensa, Rio), Maria Cláudia Baima (produção e workshop de paciência), Daniela Rodrigues (cenografia, figurino, luz, carinho), Marcelo “Cabrera” Bragatto (cenografia e cervejinha), Caroline Bittencourt (fotógrafa oficial do BB), Tadeu Banzatto (design do blog e outras alegrias), Aden Santos e Daniel Lanchinho (masterização das bases), Zeca Baleiro e Paulo Lepetit (vozes do Zeca), Simone Soul (instrumentos de primeira), Nelson Meirelles e o combo do DigitalDubs (ensinanças e amizade pra toda vida), Ricardo Martins e Antônio Carlos Castro (scanners e entusiasmo a qualquer momento), Hermano Vianna (a antena mais ligada do Brasil), os manos e minas do dubbrasil (a lista quente do dub brasileiro) e todos que, de um jeito ou de outro, estavam nessa com a gente. Obrigado a todos, love...

3 Comments:

Blogger Doc said...

Olá!

9 de novembro de 2004 13:41  
Anonymous Anônimo said...

Olá! Foi uma pena eu não ter ido mas quando eu estiver mais velha eu irei em muitos outros shows seus, pois acho que não faltará oportunidade!
Abraços
B.B.R
Baci

9 de novembro de 2004 13:44  
Blogger nm said...

É isso aí, Doc. Como já falado anteriormente, o DD divide com você o mesmo feeling geral. Que esse Tim seja apenas mais um passo em direção à consolidação da cultura dub verde-amarela. E poder contar com a sua companhia nessa aventura é um imenso prazer para mim, podes crer!

9 de novembro de 2004 14:07  

Postar um comentário

<< Home